Flávia Esper

Sou apaixonada pelo humano e por acompanhar processos. Acredito no desabrochar do ser, no autoconhecimento como ferramenta para a felicidade e na terapia como forma de facilitar os caminhos rumo a apropriar-se do seu lugar no mundo. Ao longo dos anos, fui percorrendo meu próprio caminho, atuando em diferentes áreas e espaços, sempre voltada para o humano, o desenvolvimento, a arte, a expressão plena do ser.

 

Iniciei meu percurso no magistério, em 1997. Formei-me em Literatura em 2000, especializei-me em Docência, trabalhei com crianças, adolescentes e adultos. Além da sala de aula, passei a atuar como revisora de textos e orientadora de monografias, dissertações, teses e artigos. No contato com os alunos e com os orientandos, fui sentindo a necessidade de me aprofundar nas questões emocionais e psicológicas. Percebia que boa parte das dificuldades de escrita, por exemplo, não eram problemas de gramática ou aprendizagem, mas estavam ligados a questões emocionais, inseguranças, medos. Fui buscar outros recursos para poder ajudar melhor as pessoas a trabalharem a expressão da sua voz interna.

 

Entrei em contato com a arte-educação, com a arteterapia, com o canto e com a contação de histórias. À paixão pela educação e pela arte, seguiu-se o amor pelas terapias alternativas e técnicas de autoconhecimento. Incentivada por uma amiga, iniciei meus estudos em Astrologia em 1997. Após uma viagem ao sul de Minas, passei a estudar o Tarô como ferramenta de autoconhecimento e recurso terapêutico. Também participei de cursos e workshops de Arteterapia, Constelações Familiares, Thetahealing, Alquimia, Psicologia Junguiana, Psicologia Centrada na Pessoa, Psicanálise Lacaniana e Linguagem Orgânica. Formei-me em Reiki Nível III, Florais, S.H.Y.. Em 2007, entrei em contato com o xamanismo e iniciei minha formação como terapeuta de Alinhamento Energético (Fogo Sagrado / Cura Interior). Foi na formatura do curso que recebi meu nome xamânico, Flor do Amanhecer. Posteriormente, me formei como professora da técnica, na primeira turma para formação de professores no Brasil.

 

A vontade de me aprofundar na área terapêutica me levou a cursar quatro anos de Psicologia e a entrar em contato com novas formas de atendimento. Na época, decidi não concluir o último ano, por questões pessoais e porque tinha ficado claro que eu queria me dedicar às Terapias Holísticas (o conselho de psicologia não aceita que psicólogos utilizem técnicas holísticas em seus atendimentos). Também trabalhei com Psicopedagogia por algum tempo, atendendo crianças e adolescentes especiais, buscando integrar minhas formações.

 

Tive a honra de ser aluna de muitos mestres, como Carlos Didier, Gabriel Habib, Mônica Oliveira, Ernani Fornari, Alex Fausti, Bull e Bill, Maíra Martins, Joan Garriga, Athamis Bárbara, Ilana Pogrebinsky, Inno Sorsy, Cadu Cineli, Andréa Saraiva, Kátia Ramos, Nereida Vilela, Nei Calvano, dentre tantos outros com quem aprendi muito. 

 

Ao longo dos anos, desenvolvi um método próprio de atendimento, mesclando as diversas técnicas que estudei, escolhendo, intuitivamente, a cada sessão, os recursos mais adequados para o momento do cliente, a fim de ajudá-lo a entrar em contato com suas questões de forma segura e amorosa. Criei o Método Flávia Esper de Tarô Terapêutico e a Cura Xamânica, uma nova vertente do Alinhamento Energético.

 

Honrando a minha história, também desenvolvi um trabalho terapêutico específico para professores, pois senti na pele a necessidade desse tipo de trabalho e suporte quando atuava no magistério. Acredito que minha melhor qualidade como terapeuta seja a capacidade de não julgar o(a) cliente, trabalhando com qualquer conteúdo que ele(a) traga de forma amorosa e, simultaneamente, precisa.

 

Entendo que um bom terapeuta sabe que não pode curar ninguém, exceto – talvez – a si mesmo, assim como um bom professor sabe que não se ensina nada a ninguém: o aprendizado se dá dentro de cada um e a seu próprio modo. Podemos ajudar o outro a observar a própria experiência, a dar mais atenção a este ou aquele aspecto, como uma espécie de guia da jornada ou de sinalizador, favorecendo a cura, mas a experiência do encontro com a cura pertence ao cliente. 

 

Trabalhar como terapeuta me permite acompanhar os processos, facilitar jornadas e celebrar as vitórias, no tempo do outro, no olhar do outro, no aprender do outro. E é esse aprendizado pessoal e verdadeiro, a partir do contato com a própria experiência que nos torna mais responsáveis, conscientes e livres. Ajuda-nos a ter independência e recursos para realizar e expressar nossa grandeza. Permite que nos tornemos, a cada dia, versões melhores e mais inteiras de nós mesmos.